Eu, Paula Morais, Presidente da Fundação Ana Carolina, e em nome de todas as famílias com crianças com patologias crónicas e graves, gostaria de dar-lhe as boas vindas a nossa casa.

 

Certa do papel importante que uma mãe/cuidador  nos primeiros anos de vida de um indivíduo, e como em qualquer caso, a principal prioridade é prestar os cuidados básicos para uma vida digna e de amor. Comer, tratar da higiene, dar segurança e Amor, são cuidados comuns de todos os pais/cuidadores. Contudo, nem todas as situações são idênticas para as crianças mas, e nesta situação em particular, requer para além dos cuidados acima expostos, outros cuidados especiais e muito importantes perante patologias de saúde diferentes, para dar a estes meninos melhor qualidade de vida.

 

As crianças que a Fundação ajuda, assim como a minha filha Ana Carolina, são portadoras de doenças graves, como paralisias cerebrais e doenças do foro neurológico crónicas que não tem cura até a data, e que requerem de mais cuidados para além dos cuidados de crianças saudáveis. Dependem de apoio em todas as suas actividades diárias, algumas não andam, algumas não falam, têm dificuldades de visão, necessitam de apoio escolar diferenciado, não se alimentam sozinhos, têm incontinência, têm convulsões (epilepsia), problemas respiratórios graves, etc., só citando alguns, e por isso, carecem de acompanhamento médico especializado constante, como pediátrico, neurológico, cardiologia, gastroenterologista, oftalmologista, assim como de reabilitação intensiva e contínua como fisioterapia, terapia da fala, terapia ocupacional, psicologia, etc.

 

Acima de tudo são crianças que são completamente dependentes para viver e por isso, precisam de apoio diário para comer, sentar, brincar, ou seja, para todas as tarefas diárias básicas, e por esse motivo muitas das mães não podem trabalhar, ou mesmo estando empregadas, é difícil gerir as situações laborais porque a criança especial adoece com mais frequência. Igualmente estas crianças necessitam de cadeiras próprias (cadeiras adaptadas e de rodas) para sentarem e deslocarem-se, pois elas crescem e carecem de ajuda extra para o desempenho da sua actividade diária e social. Ir ao médico, passear no parque, ir à escola e brincar...

 

 

A batalha destas famílias é constante e "pesada" e por isso, venho apelar a vossa ajuda nesta causa convidando-o a visitar o nosso website. Para mais informações fundacaoanacarolina@gmail.com

Em nome de todas as nossas crianças, um bem-haja 

 

Paula C. de Morais

Presidente da Fundação

Reabilitar...um acto de amor